Lugar à Cultura


Teia dos Sentidos prepara 3.ª edição da CURTA – Mostra Nacional de Curtas-Metragens de São João da Madeira
17 de Março de 2010, 23:00
Filed under: Cinema, Fotografia, Música, Poesia, Teatro

Este ano realiza-se a terceira edição da CURTA – Mostra Nacional de Curtas-Metragens de São João da Madeira, uma iniciativa da responsabilidade da Associação Cultural Teia dos Sentidos. Salomé Pinto é a presidente desta associação e aceitou vir ao «Lugar à Cultura» falar não só sobre este certame, mas também da restante actividade desta associação, que vai da poesia à fotografia, passando pelo teatro e pela música, numa parceria com outras instituições sãojoanenses, nomeadamente o TEPAS – Teatro Experimental Por Amadores Sanjoanenses e pela Academia de Música de São João da Madeira.

A CURTA – Mostra Nacional de Curtas-Metragens surgiu, essencialmente, porque as pessoas que constituem a Teia dos Sentidos sentiam uma grande lacuna nesta área em São João da Madeira. O certame decorre ao longo de três dias e em cada dia o público é convidado a votar na curta-metragem que mais gostou. Depois disso, a organização faz um Best Of e passa as curtas-metragens mais votadas.

Ao contrário das duas primeiras edições que aconteceram sempre no mês de Julho, este ano a Mostra vai realizar-se em Outubro. Isto porque, a organização percebeu que em Julho, além de haver outras ofertas o género, é um mês em que os alunos estão a ultimar os seus trabalhos, além do calor e da praia que acabam sempre por “desviar” muita gente.

Apesar das inscrições serem abertas ao público em geral, a maior parte dos participantes têm sido alunos do ensino secundário ou universitário. Ou seja, este é mais um certame que abre portas tanto a trabalhos académicos como amadores e até semi-profissionais.

Além do cinema, a Teia dos Sentidos dedica-se a muitas outras áreas, noemadamente à poesia. Neste sentido, realizou pelo segundo ano consecutivo a iniciativa « Maior Poema», cujo tema este ano foi precisamente São João da Madeira. Esta iniciativa tem uma particularidade muito interessante. Segunod nos explicou Salomé Pinto “não é necessário ser sãojoanense para participar, basta que tenha uma ligação ao concelho, ou seja uma pessoa que seja minha amiga, ainda que viva, por exemplo, em Almada, pode participar. Nós lançamos o tema e depois juntamos todos os poemas num único poema”. Este ano houve um total de 70 participações, entre as quais algumas escolas. “As escolas e, princioalmente os professores primários reagem muito bem a este tipo de iniciativas, incentivando os mais pequeninos a escrever poemas”.

A fotografia é outra das áreas que a Teia dos Sentidos abraça com a realização de Caminhadas Fotográficas, assim como o Teatro e a Música.

Um dos sonhos da Teia dos Sentidos e da sua presidente é a concretização de um Cineclube em São João da Madeia, mas esse é um projecto mais moroso: “o principal, nós já temos que é a Associação. Também contamos com o auditório dos Paços do Concelho, mas para a concretização desse sonho é necessário um investimento avultado”. Portanto, ainda será para já, mas não é uma ideia para abandonar.

Para mais informações pode consultar o site ou o blogue.



“José Afonso não foi só um cantor. Foi um homem com princípios e um exemplo de cidadania”
9 de Março de 2010, 21:07
Filed under: Música, Poesia

«80 Anos de Zeca», assim se chama o movimento constituído em 2009 para celebrar oito décadas de José Afonso. Uma iniciativa que partiu do Núcleo Norte da Associação José Afonso (AJA-Norte), mas que depressa passou a ser de um colectivo de instituições e de alguns particulares que subscreveram o Manifesto e têm vindo a realizar os mais diversos eventos. O movimento teve início no dia 1 de Agosto de 2009, com uma conferência de imprensa, na Associação de Jornalista e Homens de Letras do Porto, e a inauguração da Banca do Zeca, no Clube Literário do Porto.

Paulo Esperança, da direcção nacional da AJA e membro da AJA-Norte é um dos responsáveis pela criação deste movimento e é com satisfação que fala nos mais de 80 subscritores que assinaram o Manifesto e se juntaram a esta grande festa que tem sido o movimento «80 anos de Zeca».

Os eventos têm acontecido um pouco por todo o País “desde Almada até Ferrol, em Santiago de Compostela”, contou-nos Paulo Esperança, durante a conversa no «Lugar à Cultura» em que aceitou participar.

É com tristeza e com um tom crítico que Paulo Esperança aponta o dedo à Câmara Municipal do Porto por não se associar a esta celebração “é lamentável a Câmara do Porto não se associar a este movimento, quando a iniciativa foi abraçada por instituições como o Clube Literário do Porto, a Fundação José Rodrigues, a Cooperativa Árvore, entre tantas outras”.

Desde cantorias, exposições, sessões de poesia têm sido muitos e bastante diversificados os eventos que têm assinalado estes 80 anos de Zeca Afonso.

A Galiza também tem marcado uma forte presença nesta celebração com a realização de algumas iniciativas, de forma a perpetuar o carinho que José Afonso nutria por aquela região espanhola e vice-versa.

A par de tudo o que tem acontecido e de muitos outros eventos agendados, está a decorrer a construção de um painel, intitulado «Puzzle», inspirado em textos e músicas de Zeca Afonso, o qual está a ser levado a cabo por jovens estudantes. Sim porque as escolas também se têm envolvido neste projecto. A Escola da Ponte, inclusive, faz parte do núcleo de instituições que desde a primeira hora subscreveram o Manifesto e aceitou participar nesta comemoração.

O encerramento do movimento «80 Anos de Zeca» será no próximo dia 2 de Agosto e terá lugar em Guimarães. “Vai acontecer um ‘happennig’. Ou seja, ao longo do dia vão acontecer diversas iniciativas como concertos, malta a pintar, entre muitas outras coisas. E teremos um carro alegórico que participará nas marchas gualterianas”, acrescentou Paulo Esperança. Para ouvir os dez primeiros minutos desta conversa clique aqui.